Notícia

Crédito de custeio cai 30%

Nos meses de julho e agosto deste ano foram acessados quase R$ 7 bilhões a menos de crédito de custeio dos recursos oficiais do Plano Safra, na comparação com o mesmo período da safra 15/16. No quarto bimestre de 2015 foram contratados 23,5 bilhões de reais e em 2016 foram tomados 16,6 bilhões de reais. A sinalização vinda do campo é de que há um cenário de mais restrição no crédito, fruto também da recessão vivida na economia do país, mais exigências do bancos para emprestar o dinheiro e o endividamento de produtores que enfrentaram quebra de safra. “Com as taxas de juros atuais, o custeio fica insustentável”, escreveu para o Mercado&Cia o produtor rural André Luis Pinto, de Limeira (SP). Na visão do comentarista do Canal Rural e ex-secretário de Política Agrícola, Ivan Wedekin, a queda do crédito de custeio ocorre porque muitos produtores conseguiram acessar recursos do pré-custeio e demandaram menos financiamento nos últimos meses. Além disso, Wedekin destaca que a expectativa é que a tomada de crédito do custeio avance nos próximos meses. “Temos um quadro de aperto de crédito na economia como um todo. E estamos verificando isso no crédito rural. Eu tenho expectativa que essa queda seja diminuída nos próximos meses porque nós não tivemos uma quebra tão grande nos depósitos da caderneta rural. E, também, essa queda está acima da queda dos depósitos à vista nos bancos que caíram 13%”, explica Wedekin. Na contramão da queda do crédito de custeio, os recursos para investimentos aumentaram 22%. O salto foi de 4,1 bilhões para 5 bilhões na comparação do bimestre julho/agosto da safra 15/16 com a safra 16/17. “O dado reflete, provavelmente, a conclusão de negócios em feiras importantes como a Agrishow”, explica. No item investimento na safra 15/16 a Agricultura Empresarial somou R$27,2 bilhões. Para o Pronaf, o valor chegou a R$11 bilhões. No total o acumulado chegou a R$39,3 bilhões. fonte Kellen Severo